• Comunicação ILPS

Obrigada por serem gotas de oceano!


Muitas pessoas aproveitam o final de ano para refletir, fazer listas de resoluções e planos para o Ano Novo. Há alguns anos mudei minha postura quanto a isso, pois passei a abraçar cada dia como uma oportunidade para momentos de reflexão e gratidão, colocar planos em prática e corrigir o curso sempre que necessário. No entanto, nesse ano tão atípico que enfrentamos, com restrições e desafios que ainda não têm data para acabar, me vi fazendo reflexões de final de ano, principalmente em como tenho contribuído para tornar esse mundo melhor.


Ter sustentabilidade como parte essencial da minha vida profissional tem sido um privilégio, mas só isso nunca foi suficiente. Faço trabalhos voluntários desde pré-adolescente, quando ainda aluna do Colégio Pedro II, eu e meus colegas recolhíamos doações de alimentos e brinquedos para entregar em orfanatos, promovendo eventos em que cantávamos (mal!! rsrsrs) e organizávamos brincadeiras com as crianças. Desde então, me envolvo e apóio, de diversas formas, várias iniciativas e causas nas quais acredito e acho que possa agregar algum valor, sejam elas grandes ou pequenas. Ser associada, voluntária e conselheira do Instituto Luísa Pinho Sartori é uma dessas iniciativas.


É justamente por causa do trabalho do e no ILPS que decidi compartilhar minhas reflexões. Acredito que todos nós ao apoiarmos uma causa, mesmo que seja tão bonita quanto a do ILPS, se faça sempre as mesmas perguntas: estou fazendo a coisa certa? Estou fazendo a alguma diferença?


E ao me perguntar isso, só precisei pensar na dedicação e trabalho de jovens que, com o apoio do ILPS, estão começando a trilhar suas jornadas em conservação – área tão importante, mas que ainda enfrenta diversos desafios em nosso país, que costuma mostrar solidariedade em situações de crise, mas ainda engatinha no que se refere à filantropia e apoio recorrente a projetos. Basta pensar na Carolina e no projeto de reintrodução dos jabutis; na Tayana e em seu trabalho para ajudar a definir áreas de conservação marinha no litoral norte do Brasil; na Gabriela e seu trabalho sobre o potencial das antas na regeneração de áreas abertas; nas becas que permitiram que a estudante argentina Martina, como outros estudantes nos anos anteriores, participasse de um evento como o ReGeneC. Poderia citar outros exemplos, como outros jovens conservacionistas apoiados pelo ILPS ao longo dos anos, ou os vários estudantes e professores que participam da BioSemana. Aliás, apesar da pandemia, o ILPS apoiou não só a realização da BioSemana de forma digital, como promoveu uma série de palestras online na chamada Pré-Biosemana.


Se havia alguma dúvida quanto a estar fazendo alguma diferença, a linda mensagem de agradecimento enviada ao ILPS pela Professora Lena Geise, Professora Titular do Departamento de Zoologia da UERJ, ela deixou de existir. Em sua mensagem ela contou um pouco da história de vida, cheia de desafios, da Midian, vencedora do Prêmio Luísa no último dia 23 de novembro, e ressaltou “Acredito que o prêmio irá mudar o rumo de sua história. Levará consigo essa vitória, fazendo com que seja mais forte perante as adversidades. Agradeço profundamente.”


Ao ler a mensagem da Professora Lena, me veio à cabeça uma frase de Madre Teresa de Calcutá “O que eu faço é uma gota no meio de um oceano. Mas sem ela, o oceano será menor.” E por isso, só quero muito agradecer. À Cristina e ao Fábio pelo incansável trabalho à frente do ILPS, tornando realidade o sonho da Luísa, e por me permitirem fazer parte dessa jornada. A todos os diretores, conselheiros, professores, alunos e voluntários que se dedicam a essa causa. A todos os associados e doadores, sem os quais não haveria recursos para que o ILPS pudesse existir.



Patrícia Garcia

Não tenho dúvida que ainda há muito a fazer e a jornada é longa, mas é muito gratificante saber que estamos fazendo a nossa parte e tornando esse lindo oceano maior. Muito obrigada! E que 2021 só traga coisas boas para todos.


Patrícia Garcia

Conselheira Consultiva e Fiscal do ILPS

15 visualizações0 comentário

Inspirar e apoiar jovens conservacionistas a trabalhar na proteção do planeta onde moramos, o único lugar onde podemos viver.

© 2019 Instituto Luisa Pinho Sartori